5 pontos a não esquecer na elaboração de uma carta de apresentação

0
20

A carta de apresentação é a primeira impressão que uma instituição tem do candidato ao emprego, por isso é preciso teres alguns cuidados.

Hoje em dia é raro enviares uma “carta” de apresentação propriamente dita, mas o texto que acompanha o teu CV (quer enviado por email quer entregue pessoalmente) pode ser um ponto de diferenciação bastante importante. Ela pode ser determinante para melhores as tuas hipóteses de seres convocado(a) para a próxima fase do processo seletivo, quer seja de emprego, estágios, bolsas ou intercâmbios.

Neste texto podes apresentar as tuas motivações em relação à vaga específica, por isso cada carta de apresentação deve ser única e elaborada com base nas particularidades do cargo desejado e da empresa. Mas deves ter em conta que uma carta de apresentação deve ser um documento pouco extenso, e é preciso manter um tom de formalidade na redação do texto.

Além da função de te apresentar, a mais valia que uma carta de apresentação traz em relação ao currículo é o enfoque no marketing pessoal. Tens, portanto, aqui uma oportunidade de destacar as tuas qualidades e experiências, ao invés de apenas indicá-las em tópicos, como é o caso dos currículos, que são bastante diretos.

1- Estrutura

Um ponto a não se esquecer antes mesmo de começar a carta é a sua estrutura. É necessário seguir sempre a mesma ordem de informação e a mesma depende se a vais entregar em papel/documento word/pdf ou no corpo do email.

Papel/Word/PDF EMAIL
  • Local e data;
  • Nome do destinatário;
  • Título do destinatário e nome da empresa;
  • Endereço do destinatário;
  • Saudação inicial ou outra expressão similar de respeito;
  • Texto da carta (cerca de 300 palavras, entre três e cinco parágrafos);
  • Despedida cordial;
  • E, por fim, o teu nome.
  • Título do destinatário e nome da empresa;
  • Saudação inicial ou outra expressão similar de respeito;
  • Texto da carta (cerca de 300 palavras, entre três e cinco parágrafos);
  • Despedida cordial;
  • E, por fim, o teu nome.

2- Componentes do texto

O texto estruturalmente tem três partes: introdução, contextualização e motivação. Na introdução, deves apresentar-te respondendo as seguintes perguntas:

  • Quem tu és?
  • O que estudaste?
  • O que fazes e que experiência tens?
  • Por que estás à procura dessa vaga?
  • Na contextualização, deves explicar porque és a pessoa mais adequada para a vaga. É o momento de mostrares que tens o que é exigido através de exemplos da tua trajetória académica e profissional (não importa a hierarquia temporal). Faz o teu marketing pessoal, mas é direto. Tem o cuidado de combinar as habilidades que tens com as características que a vaga exige.
  • Na terceira e última parte, a da motivação, especialistas aconselham que, para um máximo impacto, a carta de apresentação deve terminar expondo por que esta vaga te interessa. Podes usar as seguintes perguntas para te guiares:
        • A oportunidade vai te ajudar a atingir os teus objetivos profissionais? Como?
        • A vaga trata de temas que te interessam? Como?
        • Porque achas que tens “fit” cultural com os valores da empresa?
        • Porque mereces uma entrevista naquela organização?
        • Como podes ajudar a organização a crescer e que valor acrescentado podes dar?

3- Equilibrar as informações

Há pessoas que possuem muita experiência e têm dificuldade para selecionar o que destacar em somente três parágrafos. Outras estão no início da carreira e aí, entusiasmo é o que não falta, mas o que falta é a experiência. É preciso equilibrar as informações que serão incluídas. Mais do que quatro parágrafos vai deixar a carta muito extensa. Algo muito importante é não cometer nenhum erro de português ou de digitação, pois eles passam uma péssima impressão. Deves evitar também colocar características negativas, como “não falo inglês”. Se não tens experiência, o melhor é não colocar.

4- Marketing pessoal

Mesmo quem não tem experiência profissional anterior é importante incluir ações de destaque na vida escolar, projetos que possam mostrar a tua iniciativa, alguma habilidade que tenhas, que te sintas à vontade para exercer. Por exemplo: ter sido tesoureiro da festa de finalistas, participação em uma angariação de roupas para crianças da tua escola, gincanas de conhecimento (matemática, história, português) que tenhas participado e te tenhas destacado, mesmo que internamente na escola. Do mesmo modo, trabalho voluntário em ONGs e instituições de solidariedade social também são bem vistos no mundo corporativo, porque, demonstram iniciativa e uma experiência de trabalho em equipa.

5- Foco

É importante manter o foco nas necessidades que a vaga requer, mesmo que tenhas outras habilidades a oferecer. Outro ponto a salientar é demonstrar interesse e conhecimento da empresa contratante. Mostrar que além de possuíres as qualidades exigidas, tens interesse na empresa, conheces seu posicionamento no mercado e estás motivado para conseguir o emprego. Indica o teu conhecimento na área apontando dados atualizados no setor, tendências e o que podes oferecer.

Read more

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here